Enquanto fonte de energia responsável pela produção de Vitamina D no corpo humano, a exposição solar revela-se benéfica para a manutenção de uma pele saudável e luminosa. No entanto, e à semelhança do que acontece com outros processos biológicos, torna-se imperativo encontrar um equilíbrio relativamente ao período de exposição a adotar, por forma a evitar aspetos prejudiciais que daí possam advir.

De entre os grupos de maior risco à exposição solar encontram-se pessoas de pele clara, com sardas, sinais, cabelos claros, ou ainda que possuam alguma dificuldade em se bronzearem, razão pela qual deverá manter a sua pele protegida, evitando assim situações de desidratação, insolação ou queimaduras.

 

O que significa FPS e qual o mais indicado para cada tipo de pele?

Também conhecido como Fator de Proteção Solar, este índice determina o tempo máximo de exposição solar a que a pele pode estar sujeite sem que sofra qualquer tipo de danos provocados pelas radiações UV, multiplicando o índice de proteção solar e a proteção natural da pele em minutos.

Se considerar que uma pele desprotegida sofre uma queimadura solar após 10 minutos de exposição direta, significa que com a aplicação de um protetor solar de FPS 10 essa mesma pele passará a sofrer de uma queimadura somente após 100 minutos de exposição. O mesmo acontece com os FPS 30, que asseguram a proteção natural da pele durantes 300 minutos após a aplicação do protetor, e os FPS 50, que mantém a pele protegida nos 500 minutos seguintes à aplicação do produto.

O facto de existirem peles com necessidades e características distintas, leva a que sejam comercializados protetores com diferentes índices de proteção, sendo que aspetos como a sensibilidade e pigmentação da pele são determinantes para uma utilização adequada deste tipo de produtos. Importa ainda referir que os índices de proteção mais elevados são adequados para tipos de pele mais sensíveis, que apresentem um menor grau de pigmentação.

 

Qual a diferença entre as radiações UVA e UVB?

Ainda que algumas das radiações ultravioleta fiquem retidas na camada de ozono, existem duas que atingem a atmosfera e possuem a capacidade de provocar efeitos negativos ao nível da pele, sendo estas as UVA e as UVB.

No entanto, existem algumas diferenças entre ambas, sendo que as UVA são conhecidas por penetrarem na pele em grande profundidade, de uma forma indolor, até às células que constituem a derme. Responsáveis pela produção de radicais livres, estas podem alterar a longo prazo parte das células da nossa pele, desencadeando aspetos como o fotoenvelhecimento, as intolerâncias solares, as desordens de pigmentação da pele, bem como o desenvolvimento de outras condições ao nível cutâneo.

No que respeita às radiações UVB, responsáveis pelo bronzeado natural da pele, estas atuam numa camada mais superficial do corpo, podendo também causar determinadas queimaduras, reações alérgicas e outras condições subcutâneas. Embora estas últimas sejam mais inofensivas que as anteriores, é importante proteger a pele de forma adequada, evitando os riscos associados a ambas as radiações.

 

Qual a importância de adequar os protetores de rosto aos diferentes tipos de pele?

Existem determinadas áreas da pele mais sensíveis do que outras, o que leva a que se verifique uma maior probabilidade de ocorrerem algumas lesões devido à exposição solar a que a pele está sujeite, pelo que a proteção de zonas como o rosto, o contorno dos olhos, os lábios, o nariz e as maçãs do rosto deverá ser reforçada, através da utilização de produtos adequados às características de cada uma destas áreas.

Através de uma proteção solar adequada torna-se possível não só manter-se protegido dos efeitos característicos da radiação solar, como também controlar aspetos como o acne ou outro tipo de condição associada a determinado tipo de pele em específico, pelo que deverá consultar um especialista por forma a encontrar o produto mais indicado para a sua pele, tendo por base as necessidades que esta possui.

 

Com que frequência deverá ser aplicado o protetor de rosto?

A proteção da pele não é algo que deva ser feito de uma forma esporádica, mas sim de uma forma regular e responsável, sendo que o aconselhável é aplicar o seu protetor solar de rosto a cada duas horas, após tomar um banho na praia ou ainda sempre que verifique que o seu efeito começa a desaparecer.

 

Posto isto, é importante ter em mente que uma atitude preventiva está na base de uma pele cuidada e rejuvenescida, pelo que está nas suas mãos cuidar daquilo que é realmente importante para si.

Partilhe nas redes sociais